Com o câmbio em alta e as projeções mostrando que devemos bater novos recordes nas próximas safras, com a chegada da próxima safrinha teremos um ótimo momento para boas negociações. A antecipação de recebíveis pode ser um importante viabilizador para que os distribuidores de insumos atendam à demanda e tenham mais lucro nesse período.

Oportunidades da safrinha 2020/21

A produção de milho, uma das principais culturas da safrinha, está em um momento positivo único. No final de outubro, a saca de milho atingiu, pela primeira vez, o valor de R$81,48 pelos indicadores Esalq/BM&FBovespa.

Com o aumento da demanda internacional, principalmente devido ao interesse da China nesta commodity, no final do primeiro semestre de 2020, 40% da próxima produção do milho safrinha no Mato Grosso já estava comercializada, segundo o IMEA (Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária). Segundo especialistas, em média, 35% de toda a produção futura dessa cultura em território nacional já foi comercializada, sendo que o normal para a época é de 10%.

Essa alta de preço e de demanda, estimulou o produtor a aumentar sua área de plantio. Segundo a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a produção 2020/21 da safrinha de milho deve chegar a 76,7 milhões de toneladas, 2,3% acima da safra 2019/20.

Como aproveitar esse momento

Todo esse cenário positivo acaba gerando ótimas oportunidades para os distribuidores de insumos, que terão uma grande demanda pelos produtores rurais. E é justamente para possibilitar esse aumento de vendas que a antecipação de recebíveis pode ser usada de maneira pró-ativa.

A operação de barter, um viabilizador comercial onde o produtor paga a compra de insumos com parte da sua futura produção, é essencial para o funcionamento do agronegócio brasileiro, onde o produtor rural necessita de recursos para produzir. Ela também está sendo uma grande aliada em tempos de pandemia, em que a oferta de crédito pelo mercado convencional está escassa.

Para formalizar a operação de barter, o produtor oficializa o negócio através das CPRs (Cédulas de Produto Rural). No processo de antecipação, as CPRs recebidas pelos distribuidores são analisadas com o uso de tecnologias, como a de análise por inteligência artificial e cruzamento de dados. Após se certificar sobre o risco que a operação envolve, a CPR é negociada com o mercado de capitais, onde um fundo de investimento “compra” o título e paga diretamente para o distribuidor.

Esse procedimento faz com que o distribuidor tenha caixa desde o início da safra, se livre do risco de inadimplência ou de quebra de safra – que passa a ser do investidor – e garante uma saúde financeira melhor para o negócio. No entanto, essa operação também pode ser usada de maneira pró-ativa, para garantir mais vendas.

Para atender produtores que precisam de uma grande quantia de insumos, em especial aqueles que normalmente são comprados à vista, como sementes e fertilizantes, o distribuidor precisa ter caixa disponível para fazer essa compra na indústria. Caso não tenha, o distribuidor ou perde a oportunidade, ou tem que buscar recursos com taxas pouco atrativas em fontes como bancos e financeiras, que muitas vezes não estão dispostas a conceder crédito para essas operações.

Com a antecipação de recebíveis, o distribuidor tem uma nova alternativa de financiamento. Com a TerraMagna,  por exemplo, ele pode reunir as CPRs ou duplicatas de seus produtores para gerar recursos para viabilizar novas vendas. Os recebíveis são analisados com monitoramento via satélites e análise de dados, conectados ao mercado de capitais e “vendidos” para investidores especialistas em comprar dívidas a longo prazo. O dinheiro é fornecido ao distribuidor para que ele efetue a compra dos insumos diretamente com a indústria, com descontos especiais da compra à vista, e possa vender os insumos aos produtores.

Além de viabilizar uma negociação para qual o distribuidor não tinha recursos, a antecipação ainda torna a venda segura, sem risco de inadimplência, com todo o pagamento feito à vista.

Para saber mais sobre a antecipação de  recebíveis e conhecer as taxas para sua região, visite o site da TerraMagna.

CORTESIA: TERRAMAGNA