Na contra mão quando falam que o Brasil está desmatando muito para bater recorde de produção, com base no gráfico, é possível visualizar que o país vem produzindo mais a cada ano com pequeno aumento da área plantada . Isso significa que muitos investimentos em tecnologias foram feitos desde os anos 70. Quando se compara os fertilizantes, defensivos e sementes de 40 anos atrás, sabe-se que não são os mesmo de hoje. Da mesma forma, a tecnologia avançou muito em termos de máquinas, monitoramento por satélite e inovação, e nem se compara ao que existia em 1977. Porém, todo investimento em tecnologia requer mais crédito, financiamentos e mais capital de giro.  Não é possível crescer sem esse capital. O agro é como qualquer outro investimento: quanto mais dinheiro investido, mais produto brota, e mais se colhe. Esse é um ponto de partida, não se fala em desmatamento, fala-se em crescimento em áreas úteis. Sendo assim, o Brasil está produzindo mais com o mesmo.

O Brasil bate recordes de produção e exportações em diversas culturas, ocupando apenas 12% da área cultivável no Brasil, com um total de 393hc. Quando se fala de futuro, os USA já estão ocupando 53% das áreas plantáveis, comparando com o Brasil que ocupa apenas 12% e hoje já é considerado o celeiro do planeta, e a Europa já atingiu 50%.

Em comparação com a China, por exemplo, o Brasil dispara em produção e tecnologia. Já que lá, a manutenção da agricultura familiar é uma grande questão, havendo a necessidade de manter famílias produzindo no campo e evitar que esta população venha para os grandes centros do país. Em contrapartida, no Brasil, em uma área de 20 mil hectares, por exemplo, poucas pessoas seriam o suficiente para tocar a produção. O que nos leva a crer que aqui, há extensas áreas com muita tecnologia produzindo cada vez mais nas mesmas áreas e com a mesma quantidade de funcionários, ou seja, o Brasil sustenta o mundo na produção.

O Brasil é líder de produção e exportação de culturas como o Açúcar, Café, Laranja, Soja em Grãos. E, pensando que o milho é nossa segunda cultura, já estamos alcançando os chineses. Então, levando isso em consideração, nós somos o país que mais exporta.

Identificando áreas para onde o agronegócio pode crescer e expandir, ao contrário do que se imagina, não é na região Sul, mas sim no Cerrado. Projetando o cenário de hoje, com as taxas de câmbio que estão impactando, em 2018 a 2019, houve um grande lucro a mais. De 2018 a 2019, houve um crescimento de 12,6% já de 2019 a 2020, o crescimento foi de 32%. Isso significa que houve ganho, e recordes de produção batidos com muita rentabilidade.

O cenário é: o produtor que acreditava na possibilidade de vender a soja por R$85/87, vendeu a R$100/110 – uma reflexão: o câmbio é mesmo prejudicial? Já é de conhecimento, que se o câmbio estiver a R$5,00/5,50, o produtor precisa proteger os preços da sua produção para conseguir manter a sua rentabilidade. Ou seja, a estratégia é continuar batendo recorde de produção da safra seguinte e proteger os preços das commodities, porque assim o produtor e o distribuidor ficam atentos e não correm o risco de passar a crise que vivenciaram em 2015. Sendo maduros e tendo estratégias de gestão de riscos, eles não sofrerão mais com isso.

(continuação em próximas entries)

Crédito: David Telio