É evidente a importância do agronegócio para a economia do Brasil visto os recordes de safra batidos anualmente, os valores concedidos em crédito mesmo durante a pandemia e os avanços em termos de garantias.

No dia 10/06/2020, a Análise de crédito bateu o recorde chegando a 54 bilhões. O crédito está ainda mais evidente com essa crise, aumentando 24% dos recursos, e chegando a R$17,8 bi no mês de maio. O Plano Safra 2020/2021, por sua vez, tem grande queda na taxa de juros se comparada ao ano passado.

As avaliações de garantia e patrimoniais no crédito, de imóveis, Barter, e até a forma com que eram feitas as liberações, sofreram mudanças diante do novo cenário de isolamento social. A digitalização de documentações de garantias, e os processos dos cartórios para aceitação e andamento dos processos é uma realidade que deve continuar pós-pandemia.

Antes o produtor rural tinha o costume de ir até o gerente do banco, pedir o crédito e resolver tudo presencialmente. Agora todo esse processo foi substituído pelas digitalizações e o produtor se vê numa nova realidade de adaptação. Registros e documentações digitalizadas, uma realidade que já acontece nos EUA e na Europa agora chega no Brasil, e a tendência é que permaneça, por ser um processo mais rápido e fácil.

A avaliação patrimonial, feita por uma empresa especializada, faz toda a diferença no negócio. Isso pois tende a ser muito criteriosa, imparcial e correta, usando uma metodologia que visa entender todos os detalhes possíveis sobre a região do imóvel, local, arredores. E, busca ao máximo eliminar uma visão tendenciosa ou que possa ter interferência de valores sentimentais relacionados a determinado imóvel.

Em tempo de pandemia, e isolamento social, as vistorias continuam acontecendo presencialmente. Porém, os técnicos foram instruídos e treinados a fazê-las com toda a segurança e critérios de distanciamento e higienização, e sendo acompanhados por no máximo um profissional do local visitado. Sabe-se que vistorias são parte de um processo que não pode parar. Por isso, o crédito foi muito mais preciso e os números têm crescido cada vez mais. Já com os imóveis urbanos, tem sido um pouco mais complicado neste tempo de pandemia. As vistorias vêm sendo feitas com apenas uma pessoa dentro do imóvel.

Sobre as garantias para pessoa física, com o momento de pandemia, a economia tem sido bem afetada. Mas, o crédito imobiliário é uma forma de retomada no pós-crise. Atualmente, temos acompanhado a queda nas taxas de juros e a promessa de que ela continue em declínio, levando-nos a acreditar no crédito imobiliário como uma grande saída. Muitos empresários têm usado o imóvel para alavancar o crédito e a garantia tem se tornado um bem, e ajudado muitas empresas na retomada da economia.

Um ponto de muita relevância também, é a origem desse crédito imobiliário: a poupança. E, a pandemia pode ter ajudado a elevar os números da poupança. Alguns dados: a renda líquida deste ano está em 30 milhões, sendo a melhor performance que nos últimos 25 anos, mesmo com retorno baixo. O que nos leva a crer que, no atual cenário, muitos preferem ter o dinheiro seguro, a se aventurar com rendas variáveis. Assim, essa é uma saída para quem está procurando se levantar e alavancar. O crédito com imóvel, em garantia!

Q&A:

É possível usar um imóvel para dar garantia a dois bancos diferentes?

Até é possível, mas existem dois tipos de garantia por imóvel:

  1. Hipoteca – Essa garantia detém a posse do imóvel e pode ser de 1º ou 2º grau. A Instituição financeira que estiver em contrato como sendo o de 1ºgrau que leva o imóvel, no caso de uma possível execução. Então, cabe aos credores assumirem ou não esse risco.
  2. Alienação Fiduciária – Nesse caso, só existe a transferência de imóvel, até que se pague a dívida.

Quais os principais tipos de garantia, e qual a melhor?

Além das já citadas, existem também a garantia de bem móveis, sendo uma delas a CPR. Nesse caso, o produtor cede a produção como garantia de recebimento (trade). É na realidade uma promessa de entrega, que muitas vezes não funciona por falta de acompanhamento e segurança.

É valido o penhor de grão na CPR, colocar máquina agrícola?

É possível. Através do registro, mas se enquadra nas garantias de bens móveis. As instituições financeiras, estão mais restritivas quanto a esse tipo.

Com a produção alienada como garantia, se ocorrer um evento climático e a produção se perder como fica o contrato?

Para esses casos o monitoramento é muito importante. E os satélites são uma ótima opção, pois eles são muito precisos. Além disso, uma coisa que cresce muito é a posse do seguro rural.